segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Amor e Outras Coisas (capítulo onze)


Capítulos anteriores aqui


Leonor falara uma única vez com Rita. Conhecera-a casualmente numa festa há uns anos atrás. Tinham alguns amigos em comum, pouco mais. Nunca passaram de conhecidas. Nunca foram amigas, longe disso. Com o passar do tempo, a distância entre as duas nunca parou de crescer até se tornar inultrapassável. Mais tarde, por ter perdido o namorado para ela, Leonor nem conseguia sequer olhar para ela quanto mais falar-lhe.

E hoje, por ironia do destino ou talvez nem por isso, aqui estava ela. Sozinha, sentada num dos melhores recantos do jardim, de olhar perdido num livro a que parecia estar a prestar atenção nenhuma. Leonor despedira-se das amigas há uns bons dez minutos. Ficara ali, naquela parte do jardim a observá-la. O seu dia feliz ficava para segundo plano. Olhava de longe para ela e sentia-se a recuar no tempo. Rita parecia esforçar-se demasiadamente em estar normal quando a sua tristeza saltava à vista. Por impulso, decidiu falar-lhe. Não pensou bem no que ia fazer. Simplesmente foi até lá. Não hesitou. Saiu do seu recanto calmo e sentou-se sem pedir, na cadeira vaga em frente a Rita.

“Estás bem, Rita?”
“O que é que isso te importa?”
“Não gosto de ver ninguém a sofrer...”
“Estás enganada. Eu estou bem. Muito bem, até.”
“Rita, não precisas de mentir. Eu vejo nos teus olhos.”
“Nota-se assim tanto?”
“É claro como água, rapariga.”

Do nada, Rita precisou como nunca de uma verdadeira amiga. Sentia-o e não o podia negar. E Leonor era a única pessoa que ela conhecia naquele lugar. Vagamente, é certo. Mas era um rosto conhecido. O desabafo surgiu sem aviso e surpreendeu-a com a rapidez com que encontrou as palavras certas.

“Acabei tudo com o João. Tenho a sensação que hoje perdi parte do coração.”
“Ele fez-te alguma coisa?”
“Não é isso. Ele é maravilhoso. Eu é que não o consigo amar. Eu tentei, a sério que tentei mas não consigo sentir nada por ele.”
“Se não o amas foi melhor assim.”
“Mas dói tanto, sabes?”
“É claro que sei. Sei tão bem o que isso é.”

“Desculpa estar a falar contigo sobre isto. Não te faltam razões para me odiares.”
“Eu não te odeio, Rita. Longe disso. Já fiz as pazes com o meu passado.”
“Que bom. Nem sabes como me faz bem ouvir-te dizer isso.”
“Amigas?”
“Estás a falar a sério, Leonor?”

“No que toca aos sentimentos eu falo sempre a sério. A vida é demasiado curta para perder tempo com dramas. Quero muito ser tua amiga, Rita.”
“Leonor… tiras-me um peso de cima do coração. Claro que sim. Amigas. Estou mesmo a precisar de uma amiga. Sinto-me tão só ultimamente.”

A sinceridade das palavras de Rita apanhou Leonor de surpresa, deixando-a de coração pesado.

“Então e o Rafael? Não tens estado com ele?”
“Tenho, claro. Eu adoro-o mas não consigo falar destas coisas com ele. Somos amigos mas ele é também o meu ex-namorado.”
“E o meu também. Percebo-te. Não dá para falar disto com ele. Era estranho. Toca a animar, Rita. Agora podes contar comigo para tudo o que precisares.”

“Obrigada. Já não se fazem pessoas como tu, Leonor.”
“Bebemos um café? Pago eu.”
“Obrigada. Agora percebo porque é que o Rafael tem sempre aquele brilho no olhar quando fala em ti.”

“Rita, nós somos só amigos. Bons amigos.”
“Tu ainda tens sentimentos por ele, não tens?”
“Vê-se assim tão bem?”
“Essas coisas não se conseguem esconder.”
“Sabes, eu amei-o tanto. Isso não se esquece facilmente…”

“E eu sou a culpada por tudo o que vos aconteceu.”
“Achas mesmo? Rita, a nossa relação não funcionou. Ele nunca conseguiu corresponder ao que eu sentia por ele. Foi melhor assim. Enfim… eu agora tenho namorado novo.”
“E não dizias nada? Detalhes, Leonor. Conta-me tudo.”

Leonor sorriu novamente. A felicidade regressava ao seu coração. Estava a ser um dia perfeito. Ganhara uma amiga verdadeira. Rita. Que se tornaria em breve a sua melhor amiga.

14 comentários:

  1. Os amigos verdadeiros conhecem-nos melhor que, por vezes família.
    Amei a historia.

    Feliz 2016
    Beijo e uma excelente semana.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma grande verdade, Cidália. Obrigado!
      Beijinho e um excelente 2016!

      Eliminar
  2. A vida é curta para fazer dramas e ter ressentimentos. Gostei.

    ResponderEliminar
  3. Sempre um prazer viajar nos seus apeadeiros

    Bj

    ResponderEliminar
  4. Dar uma nova oportunidade é sempre bom e assim se dá início à construção de uma amizade sã e verdadeira, apesar da derrocada! Com o tempo veremos e aguardarei, mas acho que nos vais dar mais algumas surpresas.

    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo contigo. Aqui, neste caso, foi o que a Leonor quis fazer. Não sei se haverá mais surpresas na relação da Leonor e da Rita.
      Abraços

      Eliminar
  5. Adorei!
    Veremos para saber se realmente Rita é uma amiga com A.
    Eu teria que esperar mais tempo e com calma ver se merecia a minha amizade.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. Gostei deste desenvolvimento :)
    beijinho

    ResponderEliminar
  7. Quando a química não acontece não vale a pena forçar.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade. Sem química, não interessa continuar a relação.
      Aquele abraço

      Eliminar